CONSELHOESCOLAR

CONSELHOESCOLAR

terça-feira, 19 de julho de 2011

CADERNO 3 - CONSELHO ESCOLAR: O RESPEITO, A VALORIZAÇÃO DO SABER, DA CULTURA DO ESTUDANTE E DA COMUNIDADE

ASSUNTO ABORDADO NESTA UNIDADE: EXCLUSÃO SOCIAL, PRECONCEITO E DIVERSIDADE CULTURAL.
O propósito deste estudo é discutir os “preconceitos instalados” na sociedade, e refletir sobre os desafios deste tema, principalmente, no que diz respeito às vivências individuais de cada um.

Caro (a) cursista (a),
Acesse os materiais abaixo, pois eles darão subsídios para as discussões deste fórum:
- Vídeo: Ninguém nasce racista (5:16)
Trabalho elaborado por um grupo de alunas do ensino médio, de uma escola em Brasília. Editado por Caroline Christofoli. Trilha sonora: "Problemas de Visão"; letra e música de Márcio Faraco e "Deixa isso pra lá", autoria de Alberto Paes e Edson Menezes, gravado por Lulu Santos. http://www.youtube.com/watch?v=YnOHLoTjMkI
- Vídeo: Educação e diversidade cultural (2:53)
Trabalho de Júlia Kfouri para a disciplina de Educação e Tecnologia do curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Londrina. Trilha sonora: “Inclassificáveis” de Arnaldo Antunes, gravado por Ney Mato Grosso. http://www.youtube.com/watch?v=ipjfC2s2X1c&feature=related
- Letras das músicas: "Problemas de Visão", "Deixa isso pra lá" e “Inclassificáveis” (músicas que compõe a trilha sonora dos 2 vídeos propostos)


Depois de refletir sobre o tema, propomos o diálogo entre os cursistas no blog a partir dos questionamentos:
• Como percebemos que existem preconceitos no nosso dia-a-dia? De que forma você tem presenciado o preconceito em suas vivências individuais?
• Quais sugestões você daria para modificar as possíveis condutas preconceituosas que adquirimos em nosso convívio familiar ou em grupos sociais?
• Estamos preparados para conviver com as diferenças? Como?


PERÍODO DE POSTAGEM 01/08 a 12/08 (12 dias)
AVALIAÇÃO E CRITÉRIOS
- Valor: 0 – 10
- Atividade vale frequência.

• Participação no Blog com três inserções (reflexões e/ou opiniões), distribuídas durante o período de 12 dias (tempo em que discutiremos o Caderno 3). Sugestão: uma ou dois comentários por semana. (3,0 pontos)
• Responder de forma reflexiva os questionamentos propostos para este fórum. Expôs suas ideias, relacionando-as com as dos colegas e, obviamente, respeitando as normas de “netiqueta”, ou seja, ética na internet. (3,0 pontos)
• Escrever suas ideias com clareza, coesão e objetividade. (2,0 pontos)
• Obedecer às normas gramaticais e ortográficas da língua portuguesa. (2,0 pontos)

107 comentários:

  1. Falar sobre preconceito nos leva a refletir a inúmeros desafios, pois cada ser é único, trazendo consigo suas vivencias, suas vontades, seus anseios, manias, costumes e crenças. E acabe a cada um de nós, respeitar o outro, assim, como cada um deseja ser respeitado pelo seu semelhante. Perante Deus somos todos iguais, mas aos olhos dos seres humanos, temos diferenças perceptíveis do qual nos leva a buscar uma convivência amigável não somente em escola, em casa, ou na rua, mas sim no geral da sociedade. Atualmente presenciamos na sociedade inúmeras formas de preconceito, que estão inseridas em diversos ambientes possíveis. Preconceito nada mais é uma idéia ou um “pré” julgamento sobre alguma coisa ou pessoa sem ao menos conhecê-las. Há vários tipos preconceitos, e os mais comuns são: social, racial e sexual. A escola neste contexto exerce um papel primordial. Ela é elo que liga todas as diferenças num só ambiente. Não é fácil conviver com algo diferente que estamos acostumados ser “normal” no nosso dia a dia, mas esse processo de conhecimento e de convivência, onde aceitar, respeitar o outro e sua bagagem de vida, faz da escola o único caminho para se adquirir a Inclusão Social, aceitando as Diversidades Culturais e por fim, buscar aniquilar o Preconceito. Seria impossível proibir certas condutas preconceituosas feitas por muitos, mas é possível, fazer com que essas pessoas, pensem e repensem sobre suas atitudes, tanto ação quanto verbal, e exigir pelo menos o respeito pelo outro. Respeito é a base para uma boa convivência. É fundamental mudar o enfoque da dificuldade da sociedade em lidar com a diferença para a necessidade desta se adaptar e aceitar todas as pessoas à luz da sua singularidade.
    Mais importante do que respeitar a diferença do outro, é respeitar a singularidade da existência desse outro. Somos todos inclassificáveis.

    ANA PRISCILA BEGO PEREIRA
    CEIM – CASA DE JESUS – AT.03.01
    ITABERÁ – SP

    ResponderExcluir
  2. Nos últimos anos ouvimos falar muito sobre o preconceito. Trabalhos belíssimos foram apresentados para levar os cidadãos a novas reflexições a respeito:estes são encontrados em livros, programas de TV,teatros,palestras e outros.Porém, a humanidade já tem embutida em si o pensamento de discriminação, tendo ,muitas vezes, como uma coisa normal.
    Então, pais e professores devem tomar muito cuidado sobre o que falam diante da criança porque sem perceber podem estar rotulando-a, gerando aí um trauma já na sua infância.
    Acho que estamos no caminho certo! A maneira para mudar esses pensamentos é levar o outro a refletir sobre seus atos.Isso só ocorrerá através de divulgações,no entanto sou consciente que esse trabalho não é fácil e é preciso começar em mim; fazendo com que minhas ações sejam exemplos para o outro. Também temos que ir mais além; tendo coragem para orientar as pessoas que estão a nossa volta e que praticam sem perceber, atitudes incorretas a esse respeito.
    Estamos nos preparando para viver com as diferenças, mas ainda há muito o que fazem.
    podemos ajudar com o simples ato de empatia, "colocando-se no lugar do outro". Não podemos fazer com outras pessoas o que não queremos que façam conosco.

    Luciane Aparecida Lobo Santucci
    EMEI "Arco-Iris"

    ResponderExcluir
  3. O preconceito existe em nossa sociedade independente do local, seja na escola, no trabalho, nas diversões e muitas vezes na própria casa. As condições dadas a essa porcentagem de pessoas consideradas diferentes seja pela raça, cor, situação financeira, deficiências e outras, deixam a desejar, pois, justamente os que mais precisam são os que mais sofrem. È preciso que cada um faça sua parte sem prejudicar o próximo.
    Eu acho de suma importância o trabalho de uma equipe escolar bem preparada, pois, através dela pode se amenizar o preconceito e der suporte para que cada indivíduo enfrente suas dificuldades. Muitas vezes uma postura nossa é capaz de mudar a vida de uma pessoa que pode estar sofrendo certo impedimento ao “estudar”, “trabalhar” ou até mesmo se “divertir” com dignidade.
    As diferenças existem e continuarão existindo. Não sei se estamos preparados ou acostumados a viver com elas, mas precisamos nos mobilizar, não para ter uma sociedade homogenia, mas para que todos vivam bem em sociedade, sem serem classificados. Temos direitos e deveres a cumprir.

    Filomena Tonon Cimatti
    CEIM – ITABERÀ, AT-03.01
    Itaberá ,SP

    ResponderExcluir
  4. "Preconceito" o tema é diverso e contraditório, e ainda prejudicial à sociedade. Preconceito (Pré + Conceito) - as pessoas julgam algo ou alguém antes mesmo de conhecer. Preconceitos são idéias preconcebidas a respeito de algo ou de alguma situação que sempre estão longe da verdade e da realidade. Descobrir os preconceitos é complicado. Alguns são bastante comuns e todo mundo lembra: preconceito racial, cultural, religioso, quanto ao poder aquisitivo, maneira de se vestir, etc. Por eles vemos as coisas como desejamos, ou piores ou melhores; ou nos fundamentamos neles para fazer um julgamento. Sempre pelo nosso crivo, é claro! Se julgar já não é bom, imaginem fazê-lo com bases errôneas! Tenho presenciado o preconceito em minha vivência de várias maneiras, dentre elas posso citar: o preconceito racial, o preconceito contra aquele que está mal vestido, ou daquele que tem o poder aquisito baixo, dentre outros.
    A convivência através de uma atitude comunitária e de respeito, é, talvez a forma mais adequada de se reduzir o preconceito. E as pessoas verão que julgar uma as outras não vale a pena.

    C.E.I.M. Distrito Toriba do Sul- Itaberá- SP-Heloisa Maria de Barros Gomes- Coordenadora Pedagógica

    ResponderExcluir
  5. Infelizmente o preconceito é algo que existe no mundo todo. Pessoas iguais umas às outras não existem e por isso acaba-se tendo o preconceito. Preconceitos nos afastam de muitas pessoas e coisas boas. Uns não gostam de brancos, outros de gordos, outros de loiros, e por aí vai. Comecemos a libertar-nos, abrindo a mente, deixando os preconceitos de lado, aceitando a todos como eles são, sem julgar e muito menos condenar segundo os ditames das nossas regras pessoais.Independente de toda dor, de toda tristeza, de toda surpresa pela violência inimaginável, vamos construir um Universo de Paz.

    Edite, Vanda, Joana, Maria Cristina e Teresa- Funcionárias do CEIM Toriba do Sul.

    ResponderExcluir
  6. Concordo com você Ana Priscila quando diz que as diferenças existem aos olhos dos seres humanos. Temos mesmo é que buscar uma convivência amigável e o respeito é sem dúvida a base para uma boa convivência. Parabéns pela colocação.

    Filomena Tonon Cimatti
    CEIM Itaberá
    CEIM- Itaberá

    ResponderExcluir
  7. Nos dias de hoje temos que refletir muito sobre o tema do preconceito; pois vivemos em uma sociedade estremamente racista e ate mesmo cruel!Com as pessoas de raça, sexo, religião, classe social e ate mesmo por pessoas que gosta de usar tatuagens!É horrível saber que nosso pais tem tantas pessoas ignorantes, que usam ate mesmo a violência para acabarem com oque eles acham que esta errada. temos que mudar esta realidade,educando nossos filhos mostrando tudo e todos com olhar de respeito para que haja um futuro limpo sem preconceito!!!
    LUCIMARA J. ALMEIDA
    ATI. 03-01
    C.E.I.M. ITABERA

    ResponderExcluir
  8. INFELIZMENTE HOJE EM DIA, TEMOS MUITAS FORMAS DE PRECONCEITO QUE ATRAPALHAM O FUTURO DE NOSSOS PEQUENOS, E MAIS QUE IMEDIATAMENTE, TEMOS QUE NOS UNIR E COMBATER, ESSE OLHAR DESTORCIDO, QUE ALGUMAS PESSOAS TÊM COM RAÇAS, SEXO, CULTURA, RELIGIAÕ, CLASSE SOCIAL, POIS NINGUEM É MELHOR QUE NIMGUEM, SOMOS TODOS IGUAIS NO OLHAR DO GRANDE CRIADOR. E COMO TRABALHAMOS COM EDUCAÇAO INFANTIL PODEMOS EDUCA-LOS COM UMA SO VISAÕ DE IGUALDADE PARA TODOS.
    JUVELINA AP. GONÇALVES
    VICE-DIRETORA C.E.I.M. SAVIDS
    AT.03-1

    ResponderExcluir
  9. Olá, Ana Priscila! Gostei de sua colocação quando explica que não é fácil conviver com algo diferente que estamos acostumados ser normal no nosso dia-a-dia.Também concordo com você quando diz que a escola é um elo que liga todas as diferenças num só ambiente; então a educação escolar tem uma grande responsabilidade em promover a inclusão social.Isso será possível se todos tiverem união e força de vontade para agarrar essa causa.

    Luciane Aparecida Lobo Santucci
    EMEI Arco-Íris

    ResponderExcluir
  10. Eliana A B Santos Almeida CEIM ITABERA/SP2 de agosto de 2011 09:20

    Vivemos em uma sociedade em que o que chama a atenção é o BELO,Esta palavra hoje é sinônimo de PODER. Se não estiver dentro dos padrões que a mídia estipula ou impõe, não serve.E nós acabamos fortalecendo esta atitude, correndo atrás dessa beleza. Tudo o que não está dentro deste padrão não serve. Podemos perceber a discriminação dos negros , a não aceitação de funcionários negros em lojas, escritórios, etc. Se o negro não tiver formação profissional e não for profissional liberal, dificilmente teria, percebo, uma outra função senão uma função doméstica. Outra discriminação visível á todos é a questão das cotas raciais nas faculdades. Mas já há preconceito quando se fala em preconceito e lembra-se de imediato nos negros. Precisamos saber que há inúmeras formas de preconceito: sociais ( ricos e pobres), raciais, religiosos, físicos (gordo ou magro), linguisticos, sexuais,entre muitos outros, todos com o mesmo grau de crueldade, acabando por excluir as pessoas.
    Não há outra forma de combater este mal, senão na escola com a EDUCAÇÃO correta, visando o respeito e a boa convivência.Como escreveu um dia o filósofo Rousseau: "O homem nasce bom, a sociedade o corrompe". A criança aprende o que vivencia. Na minha opinião, ainda estamos aprendendo a conviver com as diferenças.

    Eliana A.B. Santos de Almeida, atividade 03.01, CEIM Itaberá/SP.

    ResponderExcluir
  11. Bom dia Eliana! Acredito também que a Educação seja a palavra chave para combater a descriminação que a todo o momento vivenciamos. Da mesma forma que a sociedade corrompe, ela também pode sanar essas falhas e buscar a melhoria para esses desvios ocorrentes. Viver vai ser sempre um aprendizado, onde todos devem estar cientes com os contratempos e com as dificuldades, basta todos acreditar e lutar.

    Ana Priscila Bego Pereira
    CEIM - Casa de Jesus – Itaberá SP

    ResponderExcluir
  12. Gostei muito de sua assertiva Filomena,quanto ao tema preconceito, principalmente na parte que você diz que... "é de suma importância o trabalho de uma equipe escolar bem preparada, pois, através dela pode se amenizar o preconceito e dar suporte para que cada indivíduo enfrente suas dificuldades. Muitas vezes uma postura nossa é capaz de mudar a vida de uma pessoa que pode estar sofrendo certo impedimento ao “estudar”, “trabalhar” ou até mesmo se “divertir” com dignidade". Não esquecendo também da participação do Conselho Escolar. Parabéns pela bela colocação!

    CEIM Toriba do Sul - Heloisa M.de Barros Gomes - Coordenadora Pedagógica.

    ResponderExcluir
  13. Eliana, eu também acho que para muitos o belo é sinal de poder, mas ao deixarmos nossas casas, iremos conviver com outra família que é a formada pelos funcionários do local de trabalho. Neste local, teremos desafios, alegrias, problemas em comum a resolver, então nesta hora o que realmente conta é a belo interior das pessoas com quem convivemos. Concordo também que não há outra forma de combater o mal da discriminação se não com a educação correta. Devemos sim começar pela educação, pois da mesma forma que hoje em dia, é muito mais difícil ver uma criança jogar papel na rua do que ver um adulto, isso se deve a educação na maioria das vezes na escola.

    Filomena Tonon Cimatti
    CEIM- Itaberá

    ResponderExcluir
  14. Nossa Eliana muito reflexivo o que você escreveu a respeito do tema em estudo "preconceito". In fine você assim afirmou: "Não há outra forma de combater este mal, senão na escola com a EDUCAÇÃO correta, visando o respeito e a boa convivência.Como escreveu um dia o filósofo Rousseau: "O homem nasce bom, a sociedade o corrompe". A criança aprende o que vivencia. Na minha opinião, ainda estamos aprendendo a conviver com as diferenças". E,realmente estamos aprendendo a conviver com as diferenças ainda.
    Parabéns pela colocação!
    Funcionárias do CEIM Toriba do Sul - Edite, Teresa,Vanda, Joana e Cristina.

    ResponderExcluir
  15. Boa noite Filomena concordo com você , quando você disse que o preconceito existe em nossa sociedade, independente do local,seja na escola,trabalho e até mesmo dentro de nossa casa. é muito triste saber que vivemos no meio de tanto preconceito, e muitas vezes ,também rimos de piadinhas preconceituosas, e nem nos damos conta o quanto estamos sendo preconceituosas.
    LUCIMARA J. ALMEIDA
    ATI.03-01
    C.E.I.M. ITABERA

    ResponderExcluir
  16. Ola Eliana o seu texto me chamou muita atenção, pois realmente a nossa sociedade segue um padrão que a mídia impõe E nos muitas vezes somos seduzidos pela beleza ,somos também preconceituosos, pois a mídia só mostra o que eles acham perfeito, e também dentro das escolas isso ocorre, com as tais cotas para deficientes, que também são usados em concursos e muito mais e na minha opinião isso é uma forma de preconceito e tem que acabar, pois somos todos iguais independentes de qualquer coisa.
    JUVELINA AP. GONÇALVES
    VICE-DIRETORA C.E.I.M. SAVIDS

    ResponderExcluir
  17. Maria Carolina Ferraz de Barros3 de agosto de 2011 20:33

    Nos dias de hoje falar sobre preconceito não é fácil, pois na maioria das vezes nós mesmos somos preconceituosos; julgando algo ou alguém antes mesmos de conhecermos.Agora cabe a cada um de nós respeitarmos uns aos outros, mesmo sabendo que não é fácil conviver com o diferente, e para mudarmos esses pensamentos seria necessário levar o outro a refletir sobre seus atos.
    Vamos falar de algo que esta acontecendo muito nos dias de hoje, dentro das escolas, o "bulling", é um tipo de preconceito que vem acontecendo muito, e fazendo com que a pessoa se intimide e tenha medo de se expor; em relação as crianças, nós pais e professores devemos estar muito atentos ao comportamento da criança que sofre esse tipo de preconceito.
    Por isso, não devemos desejar o mal para outra pessoa,se não quisermos que aconteça conosco e com nossos filhos.

    MARIA CAROLINA FERRAZ DE BARROS
    AT.03-01
    C.E.I.M. ITABERÁ

    ResponderExcluir
  18. Alessandra P. de Paula3 de agosto de 2011 22:04

    O preconceito é algo que existe dentro de nós há muito tempo;então agora é tempo de parar e pensar,o porque disto,pois perante Deus somos todos iguais.Sabemos também que esse é um assunto pouco discutido,tanto nas escolas, grupos sociais e nas famílias.
    Falando de preconceito,vejamos o caso de sistemas de cotas para negros ingressar na faculdade, não acho correto ,ao invês de oferecer cotas deveria investir melhor na qualidade da nossa educação.Porque temos que combater esse preconceito, não impondo igualdade,
    mas sim admitindo e esclarecendo as diferenças para que as pessoas compreendam.
    Mesmo com toda essa luta contra o preconceito, não só o racial,mais o sexual e o social, sabemos que não é fácil conviver com o diferente, mais é um dos desafios a ser vencidos.

    ALESSANDRA P. DE PAULA
    C.E.I.M ITABERÁ
    AT.03-01

    ResponderExcluir
  19. É triste em pleno século XXI ter que debater e buscar soluções contra o preconceito, um mundo globalizado onde tudo e todos estão conectados com apenas um click, pessoas que se vangloriam em se dizerem abertos a tudo (apenas no virtual) já que na realidade vivenciamos muitos casos de agressões por intolerância religiosa, social, racial, por condição sexual e outros. Mesmo mascarado em discursos demagogos nossa sociedade intimamente é preconceituosa, em qualquer situação que se vê diante do diferente já pré-concebe preocupações desnecessárias para lidar com o diferente, somos todos iguais e essa igualdade está exatamente nas peculiaridades que nos diferenciam uns dos outros, somos todos iguais porque somos todos diferentes. O bom é saber que nos cursos atuais de pedagogia procura-se formar os novos educadores conscientes do diferente, isso é de suma importância, uma vez que a escola e os professores são agentes de mudança, um educador que valoriza e consegue viver com as diferenças vai conseguir passar isso aos alunos e por consequencia formar cidadãos mais tolerantes. Como já dito que há preconceito pela diferença de cor, raça, religião, posição social e outros, também se vê muito preconceito com os portadores de necessidades especiais, fica uma dica para tentar acabar com pelo menos esse tipo de preconceito, o FILME: "COMO ESTRELAS NA TERRA - TODA CRIANÇA É ESPECIAL".
    LUÍZ HENRIQUE DE MELO
    Escriturário/EMEI "Arco-Íris"
    AT.03.01

    ResponderExcluir
  20. Ainda é muito difícil de falar sobre preconceito, porque é uma prática constante na sociedade que vivemos, mesmo com várias publicações e estudos que buscam acabar com todo e qualquer tipo de preconceito. Um dos preconceitos mais marcantes e cruel que ainda vemos é o racial e o pior que muitas das vezes é passado pela família, cabe à escola quebrar os paradigmas da diferença, é preciso nas aulas mostrar aos alunos que nas diferenças que está o belo do Brasil, um país multicultural, mostrar que nas diferenças há qualidades e que todos podem conviver harmoniosamente com elas.
    Vanilda de Fátima Mendes de Souza
    EMEI “Arco-Íris”
    AT.03.01

    ResponderExcluir
  21. Preconceito é algo que infelizmente existe, não sejamos hipócritas em dizer que não vemos mais, acontece no trabalho, nas escolas, em encontros de amigos e até nas famílias, pois há famílias que privilegiam um ou outro membro. Não é a cor da pele, o templo que procura, a opção sexual nem a posição social que uma pessoa ocupa é o mais importante, mas sim seu caráter e boas ações. Mas acredito que nossa sociedade está buscando conscientizar e acabar com o preconceito, é um processo demorado e possível que como professores muito fazemos parte já que somos agentes de formação de nossos pequenos.
    Edinéia Aparecida Gomes Machado
    EMEI “Arco-Íris”
    AT.03.01

    ResponderExcluir
  22. Margareth Feiteira4 de agosto de 2011 19:07

    Estamos numa época em que o mundo está bem mais flexível as diferenças, mas isso não significa que preconceitos não existam, esse é o melhor momento para levantar essa discussão e buscar usar dessa flexibilidade para acabar com julgamentos, concepções equivocadas e até mesmo com o medo do diferente. Precisamos cada dia trabalhar isso em nosso interior, que automaticamente expandiremos isso por onde passarmos, contribuindo para a construção de uma sociedade mais tolerante, receptiva e harmônica. Não podemos desperdiçar esse momento único para acabar de vez com práticas preconceituosas.
    Margareth Feiteira
    EMEI “Arco-Íris”
    AT-03.01

    ResponderExcluir
  23. Margareth concordo quando você diz que primeiramente devemos trabalhar essas concepções em nosso interior, para que assim se possa obter resultados com nossas ações, já que presenciamos a todo momento práticas preconceituosas, devemos respeitar todos.

    Ana Priscila Bego Pereira
    CEIM – Casa de Jesus - Itaberá SP

    ResponderExcluir
  24. Vivemos em um mundo onde o Preconceito a cada dia que passa ganha dimensões nas concepções de vida das pessoas, onde um ato de preconceito passa a ser normal. Sabemos que isso não pode ser uma verdade indiscutível, pois não temos o direito de ferir as pessoas com quais que sejam as palavras ou ações, pois todos merecem respeito, onde TODOS têm seus deveres e direitos para cumprir perante a sociedade. Quando o mal do preconceito é semeado nos corações das pessoas, cabe nós professores, buscar maneiras de interferir, de mostrar e de acreditar que o preconceito não traz benefícios e que somente só dificulta uma boa convivência entre as diferenças, pois se o mundo, as pessoas fossem todos iguais, graça nenhuma teria.

    Alexandra Cristina Ferreira Silva
    CEIM – Casa de Jesus – At.03-01
    Itaberá – SP

    ResponderExcluir
  25. Existe muito preconceito, mas muitas pessoas não demonstram isso por medo de leis contra preconceito, no caso de racismo e homofobia. É preciso para tentar acabar com o preconceito a união de nós pais com a escola, juntos passar valores e conscientizar nossas crianças, não deixar esse papel apenas para a escola.
    Julio/Daiane
    Pais Membros do Conselho de Escola
    EMEI Arco-Íris

    ResponderExcluir
  26. Edilaine e Terezinha5 de agosto de 2011 11:32

    Percebemos que preconceito ainda existe, vemos isso nas ruas, nas reuniões de amigos, no atendimento em lojas, acreditamos que preconceito contra negros que é o mais forte em nosso país está diminuindo um pouco, mas tem outros que também são muito agressivos, as pessoas declaram mais aberto seu desprezo por certas coisas que dizem “diferente”, mas nós mudando esse pensamento de preconceito vamos devagar melhorando o mundo.
    EDILAINE - TEREZINHA
    Funcionárias da EMEI Arco-Íris

    ResponderExcluir
  27. Falar de preconceito nos faz lembrar de várias coisas porém para sermos sucintos,vamos estabelecer o significado disto: um pré-conceito, sem fundamentos, que rodeia a sociedade, trazendo transtornos para todos intensificando na exclusão do indivíduo. A escola, a equipe escolar deve tomar um cuidado enorme ao tratar deste assunto, pois, muitos casos são presenciados neste ambiente, cada vez mais proliferado.
    São diversos os tipos de preconceito: sexual, racial,linguístico, religioso, vida sócio-econômica, etc...E estes acompanham as pessoas desde muito cedo, através de brincadeiras que aos poucos evoluem, a poto de ser um caso de desrespeito ao próximo.
    A escola, e sua equipe em si, estar sempre atenta para estes casos, e deve introduzir o conhecimento deste assunto aos pequenos, explicando a eles o significado, as consequências e analisar atitudes, refletindo com eles para se evitar o aumento destas atitudes.Porém, ao passo que se fala em analisar situações, o professor deve estar atento as suas atitudes, pois, muitas vezes, cometemos ações sem ao menos pensar em suas consequências. O melhor de tudo para encarar esta situação é o diálogo, onde pode- se utilizar diversos recursos: mensagens, vídeos, análise de textos, músicas,representações gráficas para mobilizar os educandos, como também a própria equipe, lembrando que, tudo o que se transmite na escola, refletirá na sociedade.
    A partir do momento que o aluno vai para escola ele leva e interage sua cultura, e isso deve ser valorizado por todos, a negligência deste ato de interagir, torna -se um preconceito, pois é uma forma de excluir um indivíduo,portanto, até mesmo sem utilizar a forma oral, pode-se praticar um ato preconceituoso,vale a pena ficar mais atento para as próprias atitudes.
    não existe tempo par estar preparado ou não, pois quem faz o tempo é o próprio cidadão, o mundo se move pelas ações, pela curiosidades e pelas diferenças, cabe a todos administrar suas ações,ter um olhar crítico para si e ao seu redor,e para modificar basta apenas olhar aquilo que está errado ou então indeciso, traçar métodos para melhorar e agir, de maneira consciente, respeitando o próximo e acima de tudo com muita fé em Deus, lembrando-se sempre que ele é o Deus do impossível, e nada e nem ninguém é capaz de dizer que algo é impossível, pois a fé move o mundo, transformando-o, basta cada um fazer a sua parte!

    ResponderExcluir
  28. olá Luciane Santucci, concordo com sua afirmação em que todos devemos lutar para adquirir a inclusão,só complementando, esta é uma tarefa coletiva e assim torna-se mais fácil para sua concretização. Portanto, a tarefa de mobilização é cada vez mais exigida, pois, comentar,dizer que existe que deve - se fazer algo virou um chavão, há a necessidade de agirmos em prol deste objetivo: Aceitar as diferenças e lutar para a transformação do pensamentos preconceituosos e alcançarmos a inclusão social para todos.

    Nice Regiane Camargo
    CEIM-Vila Dom Sílvio
    Cad.03/at.01

    ResponderExcluir
  29. Apesar de ainda ouvirmos falar que o nosso país é um país livre de qualquer preconceito não é o que sentimos diariamente .Pela propaganda de TV,rádio e mídia em geral sempre ouvimos falar que o Brasil é um país democrático e um país acolhedor a todos que pretendem vir para cá, mas é só observarmos ao nosso redor que podemos ver claramente que isso não é tão real, preconceitos existem.
    Adilson EMEI ARCO-IRIS

    ResponderExcluir
  30. Eliane lendo as postagens, a sua me chamou a atenção no que se refere que ao ouvir a palavra preconceito de imediato lembra-se de preconceito contra negros, essa reflexão nos leva a rever nossos pensamentos, como afirma a Nilce Regiane “até mesmo sem utilizar a forma oral, pode-se praticar um ato preconceituoso, vale a pena ficar mais atento para as próprias atitudes”, às vezes achamos que não somos preconceituosos e involuntariamente estamos sendo.
    LUÍZ HENRIQUE DE MELO
    Escriturário/EMEI "Arco-Íris"
    AT.03.01

    ResponderExcluir
  31. Julio e Daiane gostei muito de saber que há pais conscientes que quebra de preconceitos e fortalecimento de valores é um trabalho desenvolvido em conjunto pais/escola.
    Vanila de Fátima Mendes de Souza
    EMEI "Arco-Íris"
    AT03.01

    ResponderExcluir
  32. Um dos problemas enfrentados no mundo, atualmente é o preconceito , seja por raça, cor,classe sócio - econômica, religião, tipo de falar e vestir, ou seja, são vários os tipos de preconceitos,que por mais difícil que seja admitir temos que abrir nossos olhos e aceitar esta realidade que inundou nossa sociedade,porém não devemos ficar de braços cruzados, devemos agir, conscientizando a população, começando através de nossos pequenos,pois diariamente presenciamos atos preconceituosos e a partir e devemos estar preparados para um diálogo com eles, pois devemos zelar pelo futuro destes cidadãos para formar uma sociedade crítica, liberal e livre de preconceitos.
    Porém antes de tratar deste tema com os alunos devemos rever nossas ações para verificarmos se estamos agindo de maneira correta também.Portanto, uma maneira de encarar este problema é estar sempre atentos e estarmos de mente aberto, sermos críticos e sabermos nos expressar,pois somos cidadãos, educador e pais conscientes de nosso papel, e devemos estar preparados para esta situação.

    Maria Creuza C. Santos Silva
    CEIM- Vila Dom Sílvio
    CAd. 03/at.01

    ResponderExcluir
  33. Só para complementar e parabenizar aos pais que participaram desta discussão no blog, enfatizo a importância da presença dos pais nesta tarefa de conscientização, e ainda, a ação coletiva entre pais e equipe escolar, pois de fato, para uma transformação, numa luta, só se alcança com a união de uma equipe, pois somente assim podemos adquirir forças...

    Maria Creuza C. S. Silva
    CEIM- Vila Dom Sílvio
    Cad.03/at.01

    ResponderExcluir
  34. O preconceito está presente em nosso cotidiano, infelizmente, na sociedade em geral, ou até mesmo dentro de cada um de nós.
    A aceitação da diversidade não significa gostar de tudo, mas conviver pacificamente com todos os gostos e sempre respeitar as diferenças do próximo seja elas quais forem, pois a vida é única, então temos o direito de viver e ser feliz, independentemente das diferenças entre ambos.
    Lucilei de Freitas Nunes Almeida- SME
    Oficina Pedagógica

    ResponderExcluir
  35. Alessandra P. de Paula8 de agosto de 2011 20:02

    Olá Néia,parabéns pela sua colocação, pois na maioria das vezes insistimos em não admitir que não existe preconceito, que as vezes acontece dentro do trabalho,nas escolas e até mesmos nas famílias. É triste dizer,mais muitas vezes julgamos as pessoas sem conhecê-las, esquecendo o que elas tem de bom.
    Temos que lutar contra esse preconceito, esclarecendo as diferenças para que as pessoas compreendam.

    ALESSANDRA P. DE PAULA
    C.E.I.M. ITABERÁ
    AT.03-01

    ResponderExcluir
  36. Eliana A B Santos Almeida CEIM ITABERA/SP8 de agosto de 2011 20:10

    Querida Lucilei,você tem toda razão quando diz que temos que respeitar as diversidades e só assim viveremos felizes.Basta lembrarmos que somos todos diferentes.Bonitos pra uns,feios para outros,gordos ou magros,altos ou baixos.O que é bom pra mim pode não ser pra você e isto não nos desmerece em nada,só mostra que temos pensamentos e modos diferentes de valorizar as coisas e isso é muito bom .Seria muito chato se todos fossemos iguais,não acha?Portanto,o belo está nesta diversidade.Devemos parar de valorizar estes tais "preconceitos" deixando de falar sobre eles,só assim esqueceremos dessas atitudes feias,desprezando-as.Eliana Bueno-CEIM Itaberá.

    ResponderExcluir
  37. O preconceito é um julgamento sem conhecer. Existem vários tipos de preconceito, por raça, religião, opção sexual, classe social e outros... Mas não importa, todos são formas de descriminação. Os preconceitos existem porque somos todos diferentes, mas são as nossas diferenças que nos fazem únicos e especiais e é com a divergência de ideias que o ser humano cresce em seu interior.
    Cecilia Alves Proença
    EMEI Arco-Íris

    ResponderExcluir
  38. Edilaine e Terezinha9 de agosto de 2011 10:07

    Alessandra concordamos com você quanto ao sitema de cotas nas faculdades, a intenção pode até ser boa quando criaram, mas talvez pode criar até mais discriminação.
    Edilaine/Terezinha
    Funcionárias EMEI Arco-Íris

    ResponderExcluir
  39. Lucilei acho pertinente quando você cita que o preconceito além de estar presente na sociedade em geral, infelizmente também está dentro de nós. E é está questão que precisa ser trabalhada, claro, todos tem opiniões, gostos divergentes, mas todos devem respeitar as diferenças, é o mínimo que possamos fazer perante uma sociedade com grandes mudanças.

    Alexandra Cristina Ferreira Silva
    CEIM–Casa de Jesus

    ResponderExcluir
  40. Cecília concordamos com você, realmente são nossas diferenças que nos torna únicos, imagine que graça teria se fossemos todos cópias uns dos outros ou se todos fossem feitos em moldes?
    Julio e Daiane
    Pais membros do Conselho de Escola da EMEI Arco-Íris

    ResponderExcluir
  41. Adilson você esta certíssimo quando diz que apesar do Brasil ser uma pais democrático ainda existe e vivenciamos inúmeros tipos de preconceito, que esta visível no nosso cotidiano. Falar de respeito, de democracia é fácil, o difícil é por em prática.

    Ana Priscila Bego Pereira
    CEIM - Casa de Jesus – Itaberá SP

    ResponderExcluir
  42. Márcia Magalhães9 de agosto de 2011 15:06

    No decorrer de nossas vidas nos deparamos com as mais variadas situações, pois não podemos esquecer que a sociedade é formada por indivíduos que pertencem a uma mesma espécie, porém apresentam-se com uma diversidade social, política e cultural expressiva, gerando intensos conflitos. Todo ser humano é capaz de viver em sociedade, mas as diferenças faz com que ocorram "disputas" entre si, agem defendendo sua própria sobrevivência, como numa "Selva", tornando-se seres egoístas, preconceituosos, capazes de achergar somente a si próprio. Como a própria palavra diz: forma-se um pré-conceito, primeiro rotula-se, depois descobrimos sua excência e muitas vezes esse comportamento pode causar danos irreparáveis na vida de muitos, seja uma criança, adolescente, adulto ou mesmo um idoso. Devemos juntos formar uma sociedade mais inclusiva, respeitando o outro com suas necessidades e diferenças.
    Márcia ferreira Magalhães
    EMEI"Arco-Íris" - Itaberá-SP

    ResponderExcluir
  43. Gostei de seu comentário Lucilei, os preconceitos estão instalados em todos os lugares inclusive dentro de nós mesmos. Precisamos ter consciência que aos olhos de Deus somos todos iguais, seres humanos que querem ser felizes sem ter que comparar a cor da pele, a opção sexual ou a classe social.
    cecilia Alves Proença
    EMEI "Arco-Íris"

    ResponderExcluir
  44. Olá, Henrique concordo com sua colocação dizendo que somos todos iguais porque somos todos diferentes, realmente somos iguais, pois todos nós temos uma coisa em comum, somos seres humanos e isso ninguém pode mudar, então temos que respeitar as diversidades sem preocupações desnecessárias para lidar com o diferente.
    Lucilei de Freitas Nunes Almeida- SME
    Oficina Pedagógica

    ResponderExcluir
  45. Concordo com a citação da Ana Priscila, quando diz que a vivencia com o diferente nos remete a dificuldades, pois até então estamos acomodados e esperamos que as pessoas sejam ou hajam do jeito que queremos, um erro. Aceitar as Diversidades Culturais é buscar acabar com o Preconceito, onde o respeito é primordial e essencial nessa luta.

    Alexandra Cristina Ferreira Silva
    CEIM–Casa de Jesus
    Itaberá – SP

    ResponderExcluir
  46. Márcia Ferreira MAgalhães10 de agosto de 2011 11:26

    Oi, Luciane Santucci! Realmente várias teorias vem sendo desenvolvida em favor do combate ao preconceito. Mas concordo com seu pensamento referente a humanidade já trazer consigo a discriminação pelo outro e que através da reflexão possamos melhorar nossas ações. Pois é praticando e compartilhando atos solidários que avançaremos esta barreira preconceituosa.
    Márcia Ferreira Magalhães
    EMEI"Arco-Íris" - Itaberá SP

    ResponderExcluir
  47. Infelizmente o preconceito esta presente no nosso cotidiano. Isso nos leva a refletir sobre nossas condutas. É perceptível o quanto ainda existem pessoas preconceituosas, que sem perceber cometem atos de discriminação e exclusão. É preocupante a maneira como atos de preconceito vem aumentando, seja através de uma palavra, de um gesto, ou de uma ação. Precisamos buscar meios dos quais possam amenizar e mostrar as pessoas, que cada ser é único, seja na construção da sua identidade individual, como sociocultural e nacional, estar ciente sobre essa condição é abrir um novo olhar que engloba as diferenças existentes. Mudar de imediato o contexto atual é impossível, mas um trabalho que envolva profissionais capazes de oferecer fontes de informação, que com toda certeza ira favorecer um ótimo convívio entre a família e grupos sociais, afinal a cada dia temos que nos preparar para enfrentar as diferenças que nos cerca. O processo é lento, mas é eficaz, e com a educação fica ainda mais real a possibilidade de transformar o mundo para as futuras gerações.

    Josina Elisabeth de Mello Barreira – Diretora - CEIM Itaberá, CEIM Dom Silvio e CEIM Distrito Toriba do Sul. (AT. 03-01)

    ResponderExcluir
  48. Henrique concordo com você quando diz que é nas diferenças que nos fazemos semelhantes, ninguém é idêntico, como afirma a Cecília, temos características que nos fazem únicos e especiais.
    Edinéia Aparecida Gomes Machado
    EMEI “Arco-Íris”

    ResponderExcluir
  49. TANIA RAMOS DE ANDRADE10 de agosto de 2011 17:12

    Falar sobre o preconceito não é uma coisa muito fácil, já que diariamente todos nós somos vitima desse mal ou o que é pior na maioria das vezes somos preconceituosos tornando assim outras pessoas vitima, o preconceito esta envolvido no nosso cotidiano de uma maneira muitas das vezes mascarados, tornando difícil sua contextualização, mas é só olhar para os lados que veremos a forma cruel de sua manifestação, seja ela pela cor da pele de um ou pela classe social do outro. O fato é que conforme a sociedade evolui as formas de preconceito também se modificam, ou seja, nós seres humanos evoluímos em muitos quesitos importantes, mas deixamos que uma coisa tão banal como o preconceito nós tornem “homens da caverna” para sempre.

    Mas como somos seres humanos e devido a essa condição somos racionais, acredito que se inserimos uma mudança na nossa cultura, na forma como agimos e pensamos sobre os que são diferentes de nós e deixarmos claro que as diferenças podem nós ser muito favorável, ai sim podemos começar a disseminar esse mal pela raiz. A hora da mudança é agora e depende de nós educadores começarmos.

    TANIA RAMOS ANDRADE "CEIM VILA DOM SILVIO"

    ResponderExcluir
  50. Infelizmente o preconceito é algo que ainda existe.Atualmente presenciamos em nossa Sociedade inúmeras formas de preconceito,seja por raça,cor,religião,classe social e outros...Mas não importa todos são formas de descriminação.Por isso é de extrema importância saber lidar com as diferenças e é uma necessidade humana aceitá-las para uma melhor convivência com o próximo,pois perante Deus somos todos iguais.
    Maria Betânia Falsarella da Cruz
    CEIM-Casa de Jesus

    ResponderExcluir
  51. Alessandra concordo com sua afirmação quando diz um exemplo de preconceito, sendo a questão de cotas universitárias para negros, pois acho que ele tem a mesma capacidade de qualquer pessoa, uma vez que todos devem competir em iguais condições.
    Maria Betânia Falsarella da Cruz
    CEIM-Casa de Jesus

    ResponderExcluir
  52. A exclusão social de um modo geral caracteriza-se por afastar o indivíduo do meio social em que vive. Pode estar relacionada a vários fatores sejam eles, políticos econômicos, religiosos, entre outros.
    O preconceito racial é uma forma de exclusão social bastante comum no mundo, porém, pode-se observar que o Brasil, apesar de ser um país com população em sua maioria negra ou afro descendente, o racismo é uma prática muito freqüente, o que nos leva a pensar em qual seria o verdadeiro motivo para tamanha discriminação.
    É fato real que no mercado de trabalho e na sociedade as pessoas de cor de pele negra são menos aceitas que pessoas de pele branca. É obvio que a cor da pele não julga a competência de ninguém, mas, infelizmente, o preconceito existe e deve ser combatido no Brasil, um país negro por natureza, que ainda não aceitou ou não conseguiu aceitar esta realidade.
    É preciso que os negros sejam vistos e tratados como pessoas comuns e normais que são, e não como inferiores aos brancos. Esse é apenas o primeiro passo para à sociedade se tornar menos preconceituosa.

    ResponderExcluir
  53. Infelizmente Tania tenho que concordar com você ao falar sobre preconceito, já que diariamente todos nós somos vitima desse mal ou o que é pior na maioria das vezes somos preconceituosos tornando assim outras pessoas vitima, o preconceito esta envolvido no nosso cotidiano.

    ResponderExcluir
  54. Vanilda Solza,gostei muito quando você diz que é nas diferenças que está o belo do Brasil,um país muticultural.Temos sim que mostrar isso, não só para nossos alunos, mas também para os filhos,amigos, enfim, para todos que nos rodeiam.

    ResponderExcluir
  55. No lugar de Vanilda Solza, lê se Vanilda Souza.

    ResponderExcluir
  56. CONSELHO ESCOLAR: O RESPEITO, A VALORIZAÇÃO DO SABER, DA CULTURA, DO ESTUDANTE E DA COMUNIDADE

    “(...) Eu fico

    Com a pureza da resposta das crianças

    É a vida, é bonita e é bonita

    Viver, e não ter a vergonha de ser feliz

    Cantar e cantar e cantar

    A beleza de ser um eterno aprendiz

    Ah meu Deus eu sei, eu sei

    Que a vida devia ser bem melhor e será

    Mas isso não impede que eu repita
    É bonita, é bonita e é bonita.(...).”
    (Gonzaguinha, “O que é, o que é ?”)



    As palavras do poeta denotam a importância que um convívio social pautado no respeito às diferenças e valorização da diversidade requerem. Se o Conselho Escolar é colegiado representativo sua ação dentro da escola deve denotar exemplo de cidadania, cabendo a seus segmentos estar atentos para três questões fundamentais: “(...) a formação humana e os desafios a superar no âmbito da escola; (...) a pedagogia da emancipação na escola e (...) o encontro dos saberes”. (Caderno 3, p. 13 e 14, grifo nosso).
    Viver não é simples. Conviver então mais complexo ainda, visto termos que nos deparar com as perfeições e imperfeições dos outros e nossas. Talvez a maior dificuldade, como diz o poeta, esteja em aceitar as pessoas como elas são. (Epitáfio, Titãs, Compositor Sérgio Brito). Reflitamos sobre isso conselheiros!!!

    ResponderExcluir
  57. Realmente Glória, ainda estamos aprendendo a conviver com complexo, e a cada dia que surge, essa tarefa fica ainda mais árdua, já que as diversidades, o “diferente” é algo que não possamos mudar, nem com palavras ou ações, mas podemos de maneira civilizada lidar com as dificuldade, mesmo que esta esteja dentro de nós mesmo, conseqüentemente o primeiro passo para se buscar a valorização do ser humano.

    Abraços, Josina Elisabeth de Mello Barreira – Diretora - CEIM Itaberá, CEIM Dom Silvio e CEIM Distrito Toriba do Sul

    ResponderExcluir
  58. Olá Betânia, concordo com você que saber lidar com as diferenças é uma necessidade humana para aceitar e conviver melhor com o próximo.
    Margareth Feiteira
    EMEI "Arco-Íris"

    ResponderExcluir
  59. Boa tarde Glória!!! Viver é uma arte, talvez mais abstrata do que complexa, cheio de mistérios e segredos e o segredo de viver bem e em harmonia é viver na tolerância, compreensão e respeito.
    Vanilda Souza
    EMEI "ARCO-ÌRIS"

    ResponderExcluir
  60. Boa noite Eliana, realmente o que conta nos dias de hoje é a beleza,mais nem tudo é o que parece,será que já não é hora de pensarmos na qualidade e não na beleza.Deixo esta exclamação para que todos reflitam.

    MARIA CAROLINA FERRAZ DE BARROS
    C.E.I.M. ITABERÁ
    AT.03-01

    ResponderExcluir
  61. Alessandra P. de Paula11 de agosto de 2011 19:04

    Boa noite Maria Carolina,muito bem lembrado num preconceito que vem acontecendo muito nos dias de hoje.O BULLING está ocorrendo muito,mas não está sendo feito algo para se evitar este tipo de preconceito.

    ALESSANDRA P. DE PAULA
    C.E.I.M. ITABERÁ
    AT.03-01

    ResponderExcluir
  62. Olá Maria de Lourdes, concordo com você quando diz que preconceito racial é uma forma de exclusão social bastante comum no mundo.Sabemos que a cor da pele não julga a competência de ninguém,infelizmente esse tipo de preconceito existe e deve ser combatido.

    MARIA CAROLINA FERRAZ DE BARROS
    C.E.I.M. ITABERÁ
    AT.03-01

    ResponderExcluir
  63. Atualmente presenciamos inúmeras formas de preconceitos existentes em nosso cotidiano. Falar sobre o preconceito e suas consequências nos leva a refletir sobre nossa prática como ser humano perante a sociedade. Acabar com os pré-julgamentos, com a descriminação e com as exclusão requer um trabalho extenso e intensivo, onde temos que repensar diariamente atitudes, ações e pensamentos. Mesmo com o preconceito inserido em todo lugar, a escola ainda é a melhor oportunidade de se trabalhar desde cedo esses conceitos, para que futuramente possamos viver mais dignamente abatendo qualquer forma de preconceito que venha surgir. Saber lidar com as diferenças é o melhor caminho para se buscar o respeito mútuo, pois todos nós merecemos e devemos respeitar o próximo.
    Luciane Magna de Almeida
    C.E.I.M. Casa de Jesus Itaberá

    ResponderExcluir
  64. preconceito nos leva a refletir os inúmeros desafios, pois cada ser é único na nossa socieddae e cada dia que psssa temos que se deparar com o preconceito, fica meio dificil pois o preconceite ja virou um vicio para algumas pessoas.Mais importante de tudo isso pimeiramente temos que respeitar cas diferanças uns dos outros, pois imagine então se no mundo fosse todo mundo igual que graça teria...
    ERICA OLIVEIRA
    C.E.I.M VILA DOM SILVIO

    ResponderExcluir
  65. Ola josina!Concordo com você quando cita que precisamos abrir nosso olhar para as mudanças e englobar as diferenças existentes. pois o momento é de mudança.
    LUCIMARA J. DE ALMEIDA
    C.E.I.M. ITABERA

    ResponderExcluir
  66. Hoje nosso HTPC de hoje foi muito proveitoso, comentamos sobre preconceito, que a cor da pele não julga a competência de ninguém,que lidar com as diferenças é o melhor caminho para se buscar o respeito mútuo, pois todos nós merecemos e devemos respeitar o próximo. Obrigado Telma e colegas por essa oportunidade de dialogarmos sobre um assunto tão significativo.

    ResponderExcluir
  67. A inserção das crianças na escola é feita, na maioria das vezes, de maneira arbitrária. Para justificar tal obrigatoriedade, os pais e/ou figuras de autoridade o definem como via de acesso ao conhecimento de teorias e conceitos que formam a vida em sociedade, para então possibilitar o ingresso no mercado de trabalho e poder "ser alguém na vida". Em alguns momentos, os pais atribuem à escola a função de produzir sujeitos com uma reflexão crítica e uma ação política transformadora, garantindo o seu exercício pleno de cidadania.

    ResponderExcluir
  68. ola quero tambem deixar aqui meu respeito aos pais que estão participando desta discussão no blog, enfatizo a importância da presença dos pais nesta tarefa de conscientização,esta ação coletiva entre pais e equipe escolar, pois de fato, para uma transformação,só se alcança com a união de uma equipe, pois somente assim podemos adquirir forças...

    ResponderExcluir
  69. Glória sua fala é muito verdadeira quando diz que conviver com pessoas é muito complexo, visto termos que nos deparar com as perfeições e imperfeições dos outros e nossas. Isso é a vida. Nada como um dia após o outro para irmos nos melhorando.

    ResponderExcluir
  70. olá,gente gostei muito de assistir os vídeos infelismente ainda temos que debater sobre o racismo,preconceito, porque ainda é miuto vigente em nosso meio tanto familiar como socil.percebemos atraves de bricadeiras de uma forma sutil para disfarçar que não tem preconceito,aí está presente o forte tratamento das diferenças de uma forma discriminatória.já mudamos muitas leis,muitas ações de lutas sociais conseguiram colocar em pauta muitas vezes este desafio,mas não mudamos a nossa postura porque a diversidade exige de nos uma opção um posicionamento não apenas crítico, mas que consiga transformar,a realidede culturalmente diversa,acredito eu alterar as relãções de poder,definir escolha e questionar a nossa visão de democracia,estaremos entrando em ação.E pra nós que somos educadores o desafio ainda É MAIOR porque não podemos reduzirmos o processo de construção do conhecimento ao modelo classificatório abrir espaços para as manifestações das diferenças humanas sem hierarquizá-las seria porém, educar para a paz, para solidariedade e educar para a condição humana vejo como princípios para conviver com as diferenças.

    ResponderExcluir
  71. TANIA RAMOS DE ANDRADE11 de agosto de 2011 20:36

    TANIA RAMOS DE ANDRADE

    Oi Eliana, PARABÉNS pelo comentário do dia 02 de agosto, concordo com você plenamente, principalmente quanto às varias formas de discriminação e preconceitos existentes, as quais fazemos e somos vitimas e também quanto a forma de combater este mal, onde você deixa claro a participação da escola e a forma de EDUCAÇÃO correta, visando o respeito e a boa convivência, com toda certeza o caminho é esse e a hora de agirmos também, não podemos deixar que o preconceito arraste-se e contamine as crianças de hoje que amanhã serão adultos.

    TANIA RAMOS DE ANDRADE "CEIM VILA DOM SILVIO"

    ResponderExcluir
  72. Oi Luciane temos mesmo saber como lidar com as diferenças! E assim viver futuramente em um pais com mais igualdade e respeito ao próximo, SEM PRECONCEITO ,com muita paz,solidariedade.
    JUVELINA AP. GONÇALVES
    VICE-DIRETORA C.E.I.M. SAVIDS

    ResponderExcluir
  73. Adilson oliveira da cruz11 de agosto de 2011 21:47

    Olá Maria Creuza !Tudo bem!Quanto a seu texto concordo com você Não devemos ser omissos e fazer de conta que o preconceito não existe.Devemos ter consciencia e ensinar aos nossos pequeninos a não ter preconceitos.É desde cedo que a ideia de discriminar já está presente socialmente na vidinhas deles.devemos fazer a diferença e trabalhar valores em nossos pequenos e que eles possam mudar de atitudes através de nossas orientações.E assim a sociedade em geral atraves de exemplos de nos educadores e do alunado consciente que estão em processo de desenvolvimento.Adilson EMEI ARCO IRIS

    ResponderExcluir
  74. Adilson oliveira da Cruz11 de agosto de 2011 22:26

    Olá Maria da Glória ! Tudo bem! Concordo com você, Viver já não é facil,mais difícil ainda é conviver. E para um mundo em desigualdade que nos encontramos atualmente onde há muitas tribos, você percebe também que faz parte de uma - a de educadores que querem fazer a diferença em uma sociedade transformando-a em uma sociedade mais justa, onde todos consigam viver e conviver com as diferenças . imaginou se todas as pesoas fossem iguais, se todos gostassem do azul ,se todos tivessem 1,82 de altura,Olhos azuis e bronzeado do mediterrânea,tivessem a mesma profissão, seria a coisa mais chata do mundo,Você não acha?

    ResponderExcluir
  75. Boa noite ou bom começo de dia Glória, você está coberta de razão, viver já é um desafio complexo, conviver ainda mais, mas como a maioria dos participantes desse debate são educadores ou estão inseridos no ambiente escolar, (eu escriturário de uma Escola de Educação Infantil e graduando de pedagogia) podemos encarar as diferenças como uma cozinha, que o cozinheiro utilizando bons ingredientes cuidadosamente combinados com temperos frescos, condimentos e especiarias, uma pitada disso e daquilo promove uma explosão de aromas, sabores, cores e texturas, enfim um banquete ao paladar, assim como educadores, agentes de mudança podemos na sociedade, na escola ou apenas em nossa sala de aula extrair o melhor e mais importante de cada um e promover uma explosão de sabores, saberes, cores, criação, imaginação, criatividade, igualdade, conhecimento e crescimento, um passo para um mundo melhor, igualitário e mais tolerante.
    LUÍZ HENRIQUE DE MELO
    Escriturário/EMEI "Arco-Íris"
    AT.03.01

    ResponderExcluir
  76. Marisa Cristiano Lima12 de agosto de 2011 10:11

    Bom dia Edite, Vanda, Joana, Maria Cristina e Teresa!Concordo com vocês quando afirmam que o preconceito nos afasta das pessoas e das coisas boas .As atitudes de uma pessoa ,a alegria e o aprendizado que esta pode nos propiciar não podem ser medidos pela cor da pele ,religião ,peso ,opção sexual ,entre outras características.O bom caráter e as boas atitudes são o que fazem de uma pessoa um ser melhor.
    Marisa Cristiano Lima -EMEI "Arco -Íris ,Itaberá ,SP

    ResponderExcluir
  77. Boa tarde Glória, refletimos muito sobre seu texto e como pais conscientes e preocupados com a educação de nossos filhos, concluímos que o respeito pelas diferenças é fundamental para pessoas e que a parceria que existe entre a escola e a família ajuda nossos filhos desde pequenos na construção de sua identidade, amando e respeitando seus colegas como eles são tornando assim crianças especiais.
    Daiane/Julio - pais de alunos da EMEI Arco-Íris

    ResponderExcluir
  78. Olá Glória, realmente é muito difícil aceitar as pessoas como elas são por isso mesmo é necessário refletir sobre nossa pratica educativa, pois a escola é o espelho da sociedade que reflete tudo o que acontece dentro e fora dela. Precisamos de uma educação de qualidade que não esteja baseada apenas na socialização, mas também na formação e no desenvolvimento humano. A escola que educa, respeita as diferenças, valoriza o saber da comunidade e constrói uma educação emancipadora.
    Cecilia Alves Proença
    EMEI Arco-Íris

    ResponderExcluir
  79. Concerteza Glória, devemos aceitar as pessoas como elas são, cada uma possui suas características, ao pé da letra não somos iguais nem diferentes, mas podemos dizer que possuímos personalidade, atributos diversos, somos interessantes; temos muita coisa em comum, porém há coisas que nos diferem, e não devem ser tachadas como problema, mas sim como algo que enriquece nossa cultura.
    Qual a graça se ao cruzarmos a esquina encontrássemos alguém igual a nós? Que utilize o mesma característica linguística que nós, e faça tudo o que fazemos! Será que gostaríamos? obviamente que não, pois o ser humano sempre busca ser diferente, pensemos: numa festa não queremos ser diferente para chamar a atenção, nos comentários deste blog, para um assunto tão conhecido e tão peculiar em suas características, acabamos por não postar um pensamento tão diferentes daqueles dos colegas, porém concordamos com aquilo que já foi dito com palavras diferentes, contudo a intenção é postar um comentário diferente que chame mais a atenção. Mas, somos profissionais e cidadãos de bem e aprendemos que devemos respeitar o próximo,e assim, trabalhamos juntos, respeitando aquilo que foi dito pelos outros e acrescentando novos conhecimentos que nos levam a refletir melhor sobre este assunto tratado.
    Pois é, vamos juntar aquilo de bom de cada pessoa,vamos olhar para o futuro, pensarmos na situação de nosso mundo, vamos aceitar as pessoas como elas são, complicar menos, ver o sol se pôr, não se preocupar com tantos problemas pequenos, vamos amar...amar...amar!A vida é curta para não se aproveitar aquilo que há de bom nela!

    Nilce Regiane Camargo
    CEIM-Vila Dom Sílvio

    ResponderExcluir
  80. Como você bem relatou Glória devemos aceitar e respeitar as pessoas. E enfatizando, quero dizer que este caderno e o material de apoio, principalmente as músicas, que nos tocam mais diretamente serviram para cairmos em si, percebendo que muitas vezes deixamos de lado o que há de bonito e bom na vida e nos preocupamos com coisas tão pequenas. É hora de abrirmos nossos olhos e cuidarmos de nossas vidas, do nosso mundo e preservar este mundo que é de nossos pequenos.
    Maria Creuza C. S. Silva
    CEIM VILA DOM SÌLVIO

    ResponderExcluir
  81. PRECONCEITO
    O preconceito
    é o que não vale nada
    O preconceito
    é como água parada

    Preconceito contra o negro
    o mulato, o moreninho
    Preconceito contra o gay,
    a mulher e o baixinho
    Contra toda a ignorância
    contra a sabedoria
    Preconceito é intolerância
    Preconceito é hierarquia

    (Refrão)
    Preconceito com o laranja,
    o lilás, o amarelo
    Preconceito contra o branco,
    o azul, o caramelo
    Preconceito contra o pobre
    Preconceito contra o rico
    contra o gordo, contra a fome
    com quem é louco varrido

    (Refrão)

    Contra o alto, contra o louro,
    O careca, o cabeludo,
    Com toda religião
    Contra nada e contra tudo
    E são tantos preconceitos
    que é difícil enumerar
    Mas me basta se agora
    cada um pra dentro olhar

    Porque não existem maiorias
    só minorias
    Uma maioria é a junção
    das minorias
    Que é maioria agora
    e depois é minoria
    Você mesmo pode ser mais
    vítima do que sabia - Sabia?

    Música e letra –O Quinto Poder

    Essa letra diz tudo vocês não acham?

    Márcia Gomes- CTP- SME-Oficina

    ResponderExcluir
  82. Ola Ana Priscila concordo com sua citação nos seres humanos temos mesmo que saber respeitar ao próximo, pois somos diferentes uns dos outros(sexo, cor etc..) mas temos cada um a nossa qualidade. Ser ou agir de maneira preconceituosa nos leva a cometer um ato d julgar as pessoas pela sua aparência sem ao menos conhece –la.
    Luciane Magna de Almeida
    C.E.I.M. Casa de Jesus Itaberá

    ResponderExcluir
  83. Olá Henrique, muito bem colocada sua fala quando diz que “vale a pena ficar atento para as próprias atitudes”. Há em nós seres humanos um preconceito velado. Então enquanto educadores ,devemos estar atentos as nossas ações e atitudes para não transmitirmos para nossas crianças “nossos preconceitos”,sejam eles quais forem.

    Márcia Gomes- CTP-SME-Oficina

    ResponderExcluir
  84. TANIA RAMOS DE ANDRADE12 de agosto de 2011 15:17

    TANIA RAMOS DE ANDRADE

    Oi Alessandra, no comentário que fez no dia 03 de agosto, parei e refleti logo que li, não tem como deixar de comentá-lo e de te parabenizar, você disse tudo quando mencionou que o preconceito esta dentro de nós e que o assunto é pouco discutido, tanto nas escolas, grupos sociais e nas famílias, acredito também que esse é o grande mal, a falta de diálogo de exploração do assunto de oportunidades para debater e assumir que o preconceito existe e esta a todo o momento a nossa volta. A única maneira de tentar amenizar as conseqüências do preconceito e inserir o “diferente” mostrar que a diferença existe e que nós ajuda a sermos melhores.

    TANIA RAMOS DE ANDRADE "CEIM VILA DOM SILVIO"

    ResponderExcluir
  85. Olá Glória, concordo com sua colocação que viver não é simples e conviver é mais complexo ainda,realmente para viver e conviver temos que respeitar as diferenças entre os seres humanos, buscando sempre o diálogo para conviver bem em socidade.
    Lucilei de Freitas Nunes Almeida- SME
    Oficina Pedagógica

    ResponderExcluir
  86. Olá Glória, conviver com as diferenças realmente é complexo, mas não impossível, devemos dia a dia trabalhar isso em nós mesmos e assim conseguir passar essa conscientização às crianças.
    Edinéia Aparecida Gomes Machado
    EMEI “Arco-Íris”

    ResponderExcluir
  87. Margareth Feiteira12 de agosto de 2011 17:34

    Boa tarde Glória, com certeza a complexidade de se conviver com a diferença talvez esteja na dificuldade que temos de aceitar as pessoas como elas são, com suas particularidades, qualidades e defeitos.
    Margareth Feiteira
    EMEI "Arco-Íris"

    ResponderExcluir
  88. Olá Glória !A pureza da resposta das crianças
    é visível principalmente no que se refere ao
    respeito às características de cada ser ;é bom ser
    puro como a criança que aceita bem as diferenças .
    Cabe ao adulto(seja na família ou na escola)a orientação constante
    para que a pureza não se transforme em
    preconceito .
    Marisa Cristiano Lima ,EMEI “Arco-Íris ,Itaberá,SP

    ResponderExcluir
  89. Querida Maria da Glória gostei imensamente da sua colocação falando da importância de um convívio social pautado no respeito,nas diferenças e valorização da diversidade. Acabar com o preconceito é compreender e eceitar as diferenças das pessoas, acreditando que a diversificação de pensamentos e a multiplicidade de culturas trarão maior conhecimento e deixarão o mundo mais vivo e mais harmonioso. E como você bem disse " Se o Conselho Escolar é colegiado representativo sua ação dentro da escola deve denotar exemplo de cidadania"e é isso que se pretende e rapidamente.
    CEIM Distrito Toriba do Sul - Heloisa M. de Barros Gomes. Coordenadora Pedagógica.

    ResponderExcluir
  90. Tutora Maria da Glória como você afirmou: "Viver não é simples. Conviver então mais complexo ainda, visto termos que nos deparar com as perfeições e imperfeições dos outros e nossas.
    Talvez a maior dificuldade, como diz o poeta, esteja em aceitar as pessoas como elas são".
    Realmente se quisermos uma sociedade com mais amor e compreensão, é necessário que se tenha convívios com as pessoas, e aceitá-las como elas são, sem nenhum preconceito que se possa ter em relação a elas. O preconceito existe porque não se respeita e não se ama o próximo.

    CEIM Distrito de Toriba do Sul - Itaberá
    Funcionárias do CEIM Editem Joana, Teresa, vanda e Maria cristina.

    ResponderExcluir
  91. Edilaine/Terezinha12 de agosto de 2011 18:11

    Boa noite Glória . Gostamos muito da parte que você diz :-Viver não é simples. Conviver então mais complexo ainda, visto termos que nos deparar com as perfeições e imperfeições dos outros e nossas.Realmente aceitar as diferenças não é fácil,ainda mais difícil se torna pelo fato que quase não percebemos nossas falhas e sempre nos vemos como perfeitos .Nossas ações precisam ser analisadas para que o preconceito deixe de ocupar o lugar do conhecimento e do respeito a diversidade.
    Edilaine e Terezinha ,EMEI “Arco-Íris”,Itaberá,SP

    ResponderExcluir
  92. Olá Luciane, concordo com sua colocação que mesmo com o preconceito inserido em todo lugar, a escola ainda é a melhor oportunidade de se trabalhar desde cedo esses conceitos, para que futuramente possamos viver mais dignamente abatendo qualquer forma de preconceito que venha surgir.
    Maria Betânia Falsarella da Cruz
    CEIM-Casa de Jesus

    ResponderExcluir
  93. Preconceito é um “juízo” preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória perante as pessoas, lugares ou tradições considerados diferentes ou “estranhos”. E quem não é diferente nesse mundão de meu Deus, cada qual com seus traços,com suas particularidades ,com sua dita “estranheza “.
    Deus nos fez únicos e de valor inestimável, porém, o preconceito nos torna iguais e de valor pequeno.Precisamos avaliar nossa prática educativa e nossas ações enquanto cidadãos para que as crianças de hoje , no futuro quando adultas, atuem como pessoas que valorizam a diversidade e respeitam as diferenças .
    Marisa Cristiano Lima,EMEI “Arco-Íris”,Itaberá,SP

    ResponderExcluir
  94. Oi Glória! Ao nascer, o indivíduo recebe uma herança cultura e o processo de assimilação
    dessa cultura recebe o nome de socialização,tendo como base o respeito.Fundado no respeito ao saber e à cultura,cultivamos as diferenças, criamos oportunidades para aumentar os conhecimentos, ampliando nossa convivência e sensibilidade na formação de nossos alunos.Nesse processo o cultivo das diferenças é fundamental, porque oportuniza e garante acesso a todos no sentido de possibilitar que as diferentes habilidades e formas de pensar sejam apoiadas, desenvolvidas e respeitadas. Enquanto convivemos, somamos diferenças e reforçamos semelhanças. E nesse encontro ampliam-se os saberes aceitando o novo ou o que está fora dos padrões já existentes. Acredito que com flexibilidade e respeito é possível termos uma boa convivência com o outro diante das diversidades.

    Márcia Gomes- CTP-SME-Oficina.

    ResponderExcluir
  95. Boa noite Marcia essa canção realmente diz tudo e muito sobre o preconceito. “Tantos preconceitos que é difícil enumerar” (...) e cabe a nós olharmos não só a nossa a volta, mas principalmente no nosso interior para acabar com qualquer tipo de preconceito. A diversidade é bela, cabendo somente a nós enxergar a beleza no diferente.

    Abraços, Josina Elisabeth de Mello Barreira – Diretora - CEIM Itaberá, CEIM Dom Silvio e CEIM Distrito Toriba do Sul

    ResponderExcluir
  96. No mundo em que vivemos todos os dias somos vitimas de algum tipo de preconceito, seja ele racial, social ou sexual. Temos que saber como lidar isso no nosso dia a dia, pois julgar as pessoas pela sua aparência ou ate mesmo pelo que você não á aceite como ela é, é um ato mesquinho. Somos todos seres humanos capazes , bonitos e competentes para viver de uma forma integra na sociedade por isso, temos sim é que respeitar as diferenças e saber conviver com elas sem agressão ou ofensas para vivermos melhor entre uns aos outros.
    Luciane Magna de Almeida
    C.E.I.M. Casa de Jesus Itaberá

    ResponderExcluir
  97. Márcia Magalhães12 de agosto de 2011 21:46

    Viver,e não ter a vergonha de ser feliz... Este deve ser o lema de vida de todos, superando os mais diversos obstáculos que surgiram em decorrência do diferente (classe, raça, religião, entre outros). É nosso dever como educadores formar seres humanos que aprendam a ser, conhecer, fazer e conviver, respeitando essas diferenças.
    Márcia Ferreira Magalhães
    EMEI "Arco-Íris" - Itaberá SP

    ResponderExcluir
  98. Infelizmente o preconceito está irraigado em nossa sociedade e convivemos com ele diariamente, assumindo várias faces cruéis, seja travestido de preconceito racial ou social. A verdade é que muitos ignoram sua existência e apóiam os discursos segregacionistas, dizendo não serem preconceituosos, mas reproduzem seus discursos, contribuindo para a manutenção da discrepância das relações sociais e econômicas, mantendo o status quo.
    O exemplo que vou citar é o aspecto de alfabetismo no país. Servirá para ilustrar o momento atual.
    … O alfabetismo no país, cujos índices maiores estão concentrados nas camadas mais pobres, os mais idosos e aqueles de cor preta e parda. Segundo uns documentos (Síntese de Indicadores Sociais 2007, do IBGE) dados sobre as taxas de analfabetismo que se mostram ligados as questões raciais e de renda. Eles demonstram que, para as pessoas a partir de 15 anos, a taxa alcançou 67,4% entre os pretos e pardos, enquanto, para os brancos, a taxa chega a 32%.
    Pela divisão por renda per capita, são analfabetos 17,9% dos que recebem até ½ salário mínimo e 1,3 daqueles que recebem mais de 2 salários mínimos… (José Raimundo Facion, Livro: Inclusão Escolar e suas implicações, pg. 33 e 34)
    Acredito que para reverter esse quadro tem que haver mais políticas públicas voltadas para educação, aumentando os 7% previstos do PIB voltado para educação para 10%. Melhores políticas de distribuição de renda e de terra.
    Professor: Fabrício da Silva Lima.
    “E.M.E. I ARCO ÍRIS”

    ResponderExcluir
  99. Olá Marcia Gomes, gostei do comentário, pois “A Arte Liberta” e sem dúvida é um forte instrumento de combate ao preconceito e discriminação, assim como o fortalecimento da identidade e a luta de um povo, como também a celebração da diversidade cultural.
    Professor: Fabrício da Silva Lima.
    “E.M.E. I ARCO ÍRIS”

    ResponderExcluir
  100. O termo preconceito significa o conjunto de opiniões formada antecipadamente sobre o outro, sem levar em conta suas qualidade ou suas capacidades. Os preconceituosos têm atitudes intolerantes com as pessoas que são diferentes deles,julgam-se superiores e por isso desvalorizam e desrespeitam outras pessoas. No Brasil, o alvo de preconceitos são as pessoas pobres,negras,índios,idosos, etc.
    Nosso país é rico em diversidade, a intervenção educativa da escola tem o papel fundamental na formação das pessoas e na valorização das diferenças,criando oportunidades para saberes diferentes,combatendo assim o preconceito para uma sociedade mais justa.
    Virgilina Cardoso-professora: EMEI - ARCO -ÍRIS

    ResponderExcluir
  101. Olá Gloria, para aprendermos a conviver será necessário outro olhar sobre as relações escolares, ressignificando os sentidos das diferenças. A escola como um todo deve refletir sobre os processos de exclusão e segregação, encontrando respostas as suas demandas, considerando as diferenças. Destinando uma reflexão a pais, professores e a todos os profissionais envolvidos de algum modo com o Direito à Diferença, e o lugar que hoje é dado aos indivíduos e as sua diferenças na sociedade.
    Professor: Fabrício da Silva Lima.
    “E.M.E. I ARCO ÍRIS”

    ResponderExcluir
  102. Virgilina Cardoso E.M.E.I. ÁRCO - ÍRIS14 de agosto de 2011 15:10

    Olá , Juvelina! gostei muito da sua colocação quando diz que "Ninguém é melhor que ninguém somos todos iguais no olhar do criador." Por isso devemos valorizar a pluralidade cultural, aprender a viver juntos e conscientizar nossas crianças sobre essa questão.

    ResponderExcluir
  103. Olá, Glória! Concordo com você quando comenta que a dificuldade é aceitar as pessoas como elas são. Realmente,percebe-se que, principalmente os adolescentes e jovens se divertem procurando os defeitos do outro e isso já "virou moda". É muito difícil mudar essa visão, mas não é impossível. cabe a cada um de nós fazermos nossa parte.

    ResponderExcluir
  104. Glória, concordo com você quando diz que conviver com as pessoas é muito complexo.Cada pessoa é um ser único com suas diferenças e qualidades, saber conviver significa reconhecer e aceitar no outro aquilo que difere de nós,porém com flexibilidade, respeito e amor ao próximo é possível sim alcançar uma boa convivência diante das diversidades.
    Virgilina Cardoso -EMEI Arco- Íris

    ResponderExcluir
  105. oi gente,não sei se está ainda disponível esse blog,mas gostsria de registrar algumas palavra do grande educaddor paulo freire,no livro pedagogia da autonomia que nos fala "faz parte igualmente do pensar certo a rejeição mais decidida a qualquer forma de discriminação a prática preconceituosa de raça,de classe de gênero ofende a substantividade do ser humano e nega radicalmente a democracia por isso que ensinar exige risco,aceitação do novo e rejeição a qualquer forma de discriminação" estas palavras nos deixa um desafio muito grande que trabalhamos com educação, mostra o desafio de buscaro o novo pelo nosso proprio exenplo onde trabalhamos,convivemos e nos relacinamos.

    ResponderExcluir
  106. oi gloria,tudo bem? citei paulo freire como um, dos grandes estudiosos da educação da classe oprimida assim entedo! que traz mais ou menos que voçê tem dito em suas colocações muito interessante sobre o desafio de buscar uma cultura nova onde os valores dos seres humanos vem em primeiro lugar.

    ResponderExcluir
  107. Eliana A B Santos Almeida CEIM ITABERA/SP15 de agosto de 2011 22:28

    Eliana Bueno-coordenadora CEIM Itaberá a
    Não podemos esperar que de uma hora para outra as pessoas deixem de terem preconceitos.Na verdade, só dissiparemos esse copmportamento quando incutirmos nas pessoas a principal arma contra esse mal,o respeito.Talvez até nem consigamos chegar a tanto,acabar com o preconceito,pois,isso é até uma questão de cultura ,mas,se conseguirmos que todos se respeitem ,já será um grande avanço.

    ResponderExcluir